segunda-feira, 12 de maio de 2008

Análise das equipas de arbitragem época 2007-2008

E desta é que é!

Penso que o ficheiro já está corrigido e com toda a informação disponível.

Mais uma vez não está bloqueado ou protegido para que possam trabalhar, se assim o entenderem. no entanto na página de análises já podem ver as diversas análises que foram feitas.

Neste momento, para que consiga completar esta época só faltam:
  • Os jogos assinalados a laranja (que não foi feito com base nas cópias das actas das equipas e por isso não sei se estarão correctos) e a branco (falta de elementos).
  • Os jogos de infantis e juniores femininos.
  • As fases finais de infantis, juvenis e juniores masculinos.
  • O(s) ultimo(s) jogo(s) dos Play-off femininos
  • Os últimos jogos dos Play-off masculinos
  • Os jogos da Taça de Portugal.
Com a colaboração das equipas, que me enviam no final de cada jogo (por mail ou sms) as equipas de arbitragens presentes nos seus jogos, no final da época poderemos ter uma imagem exacta do que aconteceu nos jogos e de quem foi convocado ou apitou.

Logo que exista uma lista em que os árbitros estejam categorizados, poderemos trabalhar a análise com maior rigor com base nessas categorias.

Qualquer dúvida, questão ou sugestão para melhorar o ficheiro e a análise - sabem como me contactar.

Espero que ajude a dar uma melhor visão do que se passou esta época em termos de arbitragens....

6 comentários:

Anónimo disse...

É uma vergonha!!!
Não tenho outras palavras!!!
Em tantos anos de polo aquatico nunca vi nada tao descarado como o que vejo neste ficheiro!!!
Jogos sem mesa, só com um árbitro e jogos de 1ª e 2ª divisão, sempre os mesmos a arbitrar - 2 que se destacam claramente dos restantes (será que são assim tao reconhecidamente os melhores ou estamos a beneficiar compadrios), equipas que são constantemente "prejudicadas" enquanto inexplicavelmente noutras nao há falhas, etc, etc.
O polo aquatico merecia mais e melhor.
Sera que conseguimos fazer esta analise para as formações feitas por estas pessoas e para as avaliações e acompanhamentos de nvos arbitros?
Será que os novos arbitros tiveram oportunidade de evoluir ou andamos a pagar salarios à FPN e ao seu vogal "disfarçados" em arbitragens?
Só posso agradecer este trabalho que expoe o que colocamos na FPN e no CA...
E se comento anónimo é porque sei que a FPN retalia quem dá a sua opinião - admiro a coragem da Paula em fazer este trabalho "às claras".

Apito na água disse...

Boa Tarde
Para que não fiquem a pensar,que fui eu que escrevi o anterior comentário,e porque já estou, utilizando o termo do anónimo "retaliado por delito de opinião", aqui fica o meu cometário.
Aceito que seja dificil fazer nomeações, aceito que seja dificil ter todos disponiveis quando deles necessitamos, mas há um facto que não pode ser negado, os árbitros não podem ser condicionados nas nomeações. Devem ter todos as mesmas oportunidades e deve existir rotatividade para no minimo, as equipas poderem ser arbitradas por árbitros diferentes.
De igual forma é importante para os árbitros poderem rodar entre si, e trocar impressões.
A arbitrgem não pode nem deve ser um lobby.
Contudo existem aspectos que podem ser melhorados se existir vontade para isso.
É por demais evidente que a média de jogos a sul, é manifestamente diminuta, mas isso não poder ser impedimento para a nomeação dos árbitros, até pelo contrário deveria ser considerado um estimulo e uma motivação adicional para que estes continuem a arbitrar e a aceitar sempre os jogos.
No mandato da anterior direção e CA, os torneios, por exemplo serviam para permiar os mais assiduos e para poder-mos estar juntos mais tempo e também para manter alguma qualidade das mesas.
Agora infelizmente isso não acontece.
Saudações
JB

Anónimo disse...

meu caro JB
o facto de haver menos jogos a sul não é impedimento para a rotatividade.
quanto a discriminação nas nomeações, claramente demonstradas nesta análise (que eu saiba é a primeira vez que alguem se deu a este trabalho e o publicou), elas existem mesmo aqui no Norte, em que são sempre os mesmos a apitar tudo e parece que se esquecem que existem mais arbitros.
hoje em dia as nomeações parecem ser mais para premiar amizades do que para se evoluir na arbitragem, ou para premiar equipas.
mas é o que temos e o que elegemos, e que parece que queremos manter.
Mais do que falar do que se fazia antes e do que foi feito agora, importa não cair no mesmo erro e tentar arranjar pessoas que se interessem pela modalidade e não por si mesmas - e que queiram fazer algo para se evoluir (o que não é o caso nos ultimos anos em que a arbitragem passou de um buraco para um precipicio - e pelo que se pode ver neste ficheiro, a culpa nao sera só dos arbitros mas de quem os nomeia)
Pensem nisto antes das proximas eleições e vejam o que querem para o pólo e para a arbitragem

Apito na água disse...

Caro colega do norte.
compreendo e aceito as tuas preocupações e argumentos. é verdade que acima de tudo temos de pensar no presente e no futuro.
Quando me refiro ao passado, apenos quero fazer referencia, que tambem foram feitas algumas coisas positivas, mas igualmente foram cometidos erros e as pessoas inteligentes se o forem devem aprender com os mesmos.
Importa portanto tentar fazer melhor e em conjunto, juntar os interessados, acabar com os autoritarismos da federação ou então mudar os regulamentos e não permitir que dirigentes possam ser árbitros e vice-versa. Pois caso contrário nunca vamos poder dizer o que pensamos, pois sujeitamo-nos a ser punidos e afastados com o foi o meu caso, apenas porque pertenço a uma associação que não está de acordo com as directivas da fpn, felizmente vivemos num país democrático e ainda podemos falar. copreendo a tua preocupação em te manteres anónimo, mas apesar de tudo podemos ter um diálogo construtivo.
Como sempre estou disponivél para colaborar mas não me queiram calar.
Não quero com isto dizer que estou interessado em voltar para a federação, já tive o meu tempo.
Mas como árbitro estou e sempre estarei disponivel para dar o meu contributo para a melhoria da arbitragem nacional.
JB

Anónimo disse...

caros JB e anónimo
apesar de tudo o que disseram atras poder ser correcto, o que eu vejo neste ficheiro é que não foi feito nenhum esforço para apoiar novos árbitros ou árbitros com menos exeriência.
Torneios de juvenis a serem apitados pelo Director Técnico Nacional! Não há arbitros a formar para o fazerem?
Torneios de Infantis apitados por um só arbitro e eles são nacionais, internacionais ou distritais com boas relações com o CA - não temos mais niguem?
E nem falo de torneios de juniores - esta tudo escrito.
E a quantidade de jogos sem oficiais de mesa?!
Ou as equipas que sistematicamente são esquecidas a nivel deequipas de arbitragem (estranhamente são quase todas de fora da zona do grande Porto)
Aqui só se comprova o ponto a que desceu a arbitragem e a culpa, meus senhores, não pode ser atribuida só aos árbitros ou à Federação - é de quem comanda os destinos da arbitragem e a deixou chegar a este ponto!
Nem aqui no Norte se usam os árbitros que existem - ainda vão roubar trabalho a alguem...
Muito se fala de selecções etc, mas se eu fizesse um trabalho assim e conseguisse que a maioria dos arbitros se sinta como recurso para o caso das "estrelas" ou amigos de quem nomeia não estarem disponíveis, já me tinha demitido.
Mas estamos em Portugal e se calhar (é o mais certo)ainda se vai premiar quem fez tao bom trabalho a destruir a imagem e credibilidade da arbitragem e a desmotivar os novos arbitros!

Arbitragemwppt disse...

Pessoal
O objectivo desta análise é que seja claro o que foi feito ao níve de arbitragem esta época.
Dificuldades sempre existiram e vão existir, mas se continuarmos a negligenciar os árbitros, especialmente novos ou de "outras cores" o que vai acontecer é que todos vão desistir ou ficar indisponíveis.
Se os motivamos para tirar cursos, temos de encontrar a forma certa (ou a pessoa) para os motivar a investir a arbitragem. E de os acompanhar.
É esse o objectivo da análise.
Sobre o trabalho feito e a disponibilidade ou contactos feitos aos árbitros, cada um terá de colocar a mão na consciência (mas assumo que ao olhar para a arbitragem, qualquer dos argumentos de indisponibilidade, etc... me parece frao... se contarmos que apitaram cerca de 40 árbitros e existem pelo menos mais 10 que nem foram considerados).
Penso que está na altura de tudo ser claro e transparente e publicado, para que todos possam ver o que é feito, certo?