segunda-feira, 7 de abril de 2008

Estrutura de formação de novos árbitros Holanda

Mais uma pequena curiosidade, interessante de comparar com a nossa realidade e futuros projectos a desenvolver.


Sei que vão já começar a dizer que o nível é diferente, o número de praticantes também, etc, etc.

O que vos apresento é uma estrutura de captação e formação de árbitros de pólo aquático na Holanda.
Pode, ou não, servir de base para projectos futuros de desenvolvimento da arbitragem em Portugal (pelo menos eu contemplo uma estrutura adaptada à nossa realidade).
O que é interessante é que eles não esperam que um jogador acabe (ou se canse) da sua carreira de atleta (ou veja que não tem futuro) para se tornar árbitro.

E vão mais longe... apostam na formação dos pais e de apaixonados pela modalidade.

A tradução não é das melhores (o meu holandês não está muito avançado... aliás... parou), mas a ideia é compreender o que se faz... e como.

Fica mais uma das curiosidades da organização da arbitragem por esse mundo fora (carreguem nos links para ver o documento) :-)

0 comentários: